Re$ultados - Julho de 2017

E lá se vai mais um mês. Credo, como a vida corre! E é lamentável eu constatar que virei um workaholic, trabalhando dez horas diárias, em uma cidade que não gosto e longe da minha família durante a semana. Será que dá tempo de chutar o balde e começar a estudar para um bom concurso da área jurídica que ganha mais que o teto constitucional (teto, essa piada!), e ainda possui aquela saborosa estabilidade? Às vezes essa ideia matuta na cabeça. Ao mais afoitos, eu sei que nada garante que eu seja aprovado, mas deixem-me divagar.

Hora de reclamar deste país. Que país lastimável! É corrupção para todos os lados, do peixe grande ou peixe pequeno. Neste mês que passou eu presenciei mais um fato reprovável em uma prefeitura. É rir para não chorar.

Mas, por enquanto, o único jeito de eu mudar de vida é criando patrimônio, então vamos falar sobre ele. Julho rendeu um aporte razoável, o qual iria destinar ao fundo imobiliário HGRE11. Acabei mudando de ideia no meio do caminho e participei do IPO do Instituto de Resseguros do Brasil (IRBR3). Foi o primeiro IPO do qual participei. No entanto, só consegui comprar a metade da quantidade que eu desejava e terminei o mês de julho com um caixa parado na corretora.

Sobre os fundos imobiliários, a situação é ingrata. Quero aumentar minha exposição já pensando em um aluguel que me defenda durante alguns meses até eu conseguir me realocar profissionalmente, acaso a ideia maluca de chutar o balde se concretize. Por outro lado, tenho a sensação de preços exagerados e receio de futura tributação me pegar de calça curta. Por outro lado, SELIC caindo e o reconhecimento de que os fiis seriam um mecanismo mais adequado para os meus planos.

Enfim, vamos ao rendimento da minha carteira pelo sistema de cotas:

Julho de 2017: 1,41%
Anual: 15,86%
Histórico (desde agosto de 2016): 19,26%

Recuperação dos valores das ações frente ao mês anterior (exceto UGPA3) e queda da curva longa de juros ajudou. BRCR11 freou um desempenho melhor. Neste resultado ainda não estão minhas ações do IRBR3, pois elas foram liquidadas na conta da corretora apenas ontem (já agosto).

Se considerarmos o imóvel que tenho no patrimônio, o resultado da carteira, também pelo sistema de cotas, é:

Julho de 2017: 0,89%
Anual: 15,27%
Histórico (desde agosto de 2016): 18,66%

Isso ocorre porque não atualizo o valor do imóvel e atualmente ele não gerou renda nem despesa (ainda não estou pagando o condomínio). Ou seja, apenas no dia em que eu vendê-lo o impacto positivo (assim espero) ocorrerá. Nesta ocasião poderei comparar com outros índices do mercado e analisar o custo de oportunidade.






Abraço!

Comentários